Em formação

2.8: Sessão 8 - Biologia

2.8: Sessão 8 - Biologia



We are searching data for your request:

Forums and discussions:
Manuals and reference books:
Data from registers:
Wait the end of the search in all databases.
Upon completion, a link will appear to access the found materials.

  1. Concentração de proteína H396P Abl (229-511).

    Usando uma seringa, transfira a solução de proteína dialisada do cassete de diálise para um tubo cônico de 15 mL. A fita não pode ser reutilizada e deve ser descartada após o uso.

    Concentre a solução de proteína para um volume final de aproximadamente 500 µL usando um concentrador centrífugo Millipore 10-KDa MWCO. Para a concentração, adicione até 12 mL de cada vez de sua solução de proteína dialisada ao tubo do concentrador e recoloque a tampa. Coloque o tubo concentrador com as gradações de volume voltadas para cima na centrífuga. Adicione um contrapeso, seja a amostra de outro grupo ou um tubo cônico de 50 mL com o volume apropriado de água para equilibrar seu tubo concentrador. Gire a 500 x g até atingir o volume desejado, cerca de 15 a 45 minutos. Use uma pipeta para recuperar sua proteína concentrada da unidade de filtro no tubo do concentrador. Para recuperação máxima de proteína, retire a proteína do fundo da unidade de filtro e use um “movimento de varredura lateral”. Você deve remover a solução concentrada de proteína o mais rápido possível após a centrifugação.

    Armazene sua proteína em um eppendorf claramente rotulado a 4 ° C para uso nas Sessões 13 e 14.

  2. Quantificação de Proteína
    Use o ensaio de quantificação Bio-Rad (Sessão 4) para determinar a concentração de proteína do domínio da quinase H396P Abl após purificação, diálise e concentração. Consulte o Apêndice A1 para uma revisão sobre a preparação de suas amostras de BSA a partir do estoque de 1 mM de BSA que você fez na Sessão 4.
    Rotule claramente a proteína dialisada com seus nomes, o nome do seu TA e a data. Armazene a solução a 4 ° C.

Sessão de verão na Rutgers Law School

A Rutgers Law School oferece vários cursos durante o verão em Camden e Newark, incluindo duas sessões principais de verão e duas sessões intensivas, projetadas para permitir aos alunos flexibilidade no planejamento de seus programas acadêmicos. A inscrição na sessão de verão oferece aos alunos a oportunidade de ganhar crédito para o requisito de graduação de 84 créditos, bem como as habilidades necessárias e créditos de redação.

Quem pode fazer os cursos de verão?

  • Alunos do programa diurno e noturno da Rutgers (limitado a alunos da divisão superior)
  • Estudantes visitantes do JD atualmente matriculados em outra escola de direito aprovada pela ABA (limitado a alunos da divisão superior)
  • Alunos de pós-graduação da Rutgers
  • Visitando alunos de pós-graduação
  • Rutgers e estudantes de graduação visitantes (geralmente com permissão do instrutor)
  • Profissionais ativos que concluíram com sucesso um JD podem se inscrever como alunos visitantes
  • Outros membros da comunidade podem se inscrever como alunos visitantes (com permissão do instrutor)

Os cursos oferecidos pela Faculdade de Direito são cursos de pós-graduação, a menos que sejam especificamente listados de outra forma na descrição do curso. No entanto, os alunos de graduação podem se inscrever em cursos listados na descrição como abertos a alunos de graduação, ou com a permissão expressa do instrutor. A transferência de créditos fica a critério da escola receptora, portanto, verifique com sua instituição se ela aceitará a transferência de créditos da Escola de Direito Rutgers. O registro da classe está sujeito a aprovação e limites de capacidade.

Se você for um estudante JD ou não, os formulários de inscrição que você precisará preencher para se inscrever em um de nossos cursos de verão estão disponíveis abaixo.

Para a sessão de verão 2021, todos os cursos serão online, com alguns cursos ministrados ao vivo e outros ministrados de forma assíncrona.

Cursos da faculdade de direito amplamente abertos a alunos visitantes

Sessão de 17 a 23 de maio (1 semana)
Sessão de 25 de maio a 15 de julho (8 semanas)
Sessão de 1 de junho a 7 de julho (6 semanas)
Sessão de 2 a 8 de agosto (1 semana)
Direitos humanos: riscos, desafios e oportunidades (2 créditos)
M-F 9h30 às 15h (HUSA)
Introdução ao Direito Americano (ministrado em coreano) (3 créditos)
T / TH 8h às 10h10 (EST)
Inteligência Artificial e Justiça Social (2 créditos)
T / TH das 10h às 12h (EST)
Compreendendo estatísticas e dados: Empirics for Law & amp Policy (2 créditos)
M-F 18:00 - 19h10 (EST) com trabalho assíncrono.
Pandemias e dificuldades financeiras (2 créditos)
M-F 9h30 às 15h (HUSA)
Lei do tênis (2 créditos)
T / TH das 10h às 11h30 (EST)
Política e lei de privacidade de informações (3 créditos)
T / TH 18:00 às 21h00 (HUSA)

Ainda há tempo para se inscrever em nosso Instituto de verão online: Introdução a Big Data e Política - o prazo para inscrições foi estendido até 24 de março.

Online Summer Institute: Introdução ao Big Data e Política de AMP

Instituto de verão on-line: introdução a Big Data e política de amp
1 ° de junho a 7 de julho (com complemento de 2 a 8 de agosto)

Big data, algoritmos e inteligência artificial são as condições estruturantes fundamentais emergentes de nosso tempo. Como esses desenvolvimentos afetam todos os domínios do esforço social e econômico, todas as comunidades compartilham o interesse em moldar as normas e governar paradigmas nesta área. A atenção a esse campo não deve permanecer meramente tecnocrática sem levar em conta a lei, a política e a ética.

A Rutgers Law está oferecendo uma nova introdução interdisciplinar a este campo para qualquer profissional ou aspirante a profissional cujo trabalho será afetado por esta mudança sísmica. Neste verão, junte-se ao nosso Instituto de verão inaugural, Introdução a Big Data e Política de Amp, oferecido de 1 ° de junho a 7 de julho. Para aqueles que não fizeram um curso introdutório de estatística, uma adição de uma semana está disponível de 2 a 8 de agosto. Os cursos serão totalmente online e os inscritos no Instituto participarão de atividades fora da classe, orientação, conversas online com convidados especiais e conexões com outros participantes e professores envolvidos em programas relacionados a tópicos na Rutgers.

Qualquer aluno da Rutgers ou estudante visitante não matriculado no verão que se matricular nos três cursos exigidos será considerado como tendo se matriculado no Instituto de verão on-line 2021 da Rutgers Law School, “Introdução a Big Data e Política”. Os cursos duram de 1 ° de junho a 8 de julho com um curso extra de uma semana que pode ser concluído pelo aluno na primeira semana de agosto (ou dispensado nas circunstâncias listadas abaixo). Consulte o Catálogo de cursos de verão para obter as descrições dos cursos.

  1. Inteligência Artificial e Justiça Social 2 CR (43: 600: 115: 01) (1 de junho a 8 de julho)
  2. Política de privacidade de informações e Lei 3 CR (43: 600: 116: 01) (1 de junho a 8 de julho)
  3. Compreendendo estatísticas e dados: Empirics for Law & amp Policy 2 CR (24: 601: 521: 91) (Lista cruzada com Escola 44) (2 a 8 de agosto)

Os alunos que já fizeram estatística ou aula introdutória de ciência de dados podem enviar uma transcrição para: [email protected]

para solicitar a dispensa deste terceiro requisito do curso de 2 a 8 de agosto.

Além disso, os seguintes cursos, se realizados antes ou simultaneamente com o Summer Institute, qualificarão automaticamente os alunos para a isenção de 2 créditos:

  • Chi-Ken Lu's, 21: 219: 329 Estatísticas e aprendizado de máquina,
  • Adam Olukicz-Kozaryn’s, 56: 834: 608: 01 50: 975: 487: 40 56: 202: 10 e 56: 824: 725, GIS para o setor público (e sociologia / criminologia) / mapeamento urbano
  • Quaisquer dois dos seguintes módulos do Rutgers Business School Build-Your-Own-Course
    • Gestão de Risco de Informação
    • Introdução ao Processo de Mineração
    • Noções básicas de cibersegurança

    O Summer Institute também incluirá um projeto de redação final que deve ser concluído como parte das aulas de Inteligência Artificial e Justiça Social.

    Os requisitos gerais de frequência da Faculdade de Direito, especificados na Regra 25, serão aplicados. https://law.rutgers.edu/sites/law/files/RLawRuleBook+6-20-16.pdf.

    Qualquer curso de verão requer o preenchimento de um formulário de registro básico para qualquer aluno que não seja da Rutgers. Não há processo de inscrição extra para participação no instituto. Os alunos precisam apenas se inscrever em todas as três turmas (ou duas turmas e pedido de dispensa da terceira). No entanto, observe que cada curso pode exigir individualmente permissão específica do instrutor para determinados públicos de alunos.

    • Graduados. Além da exigência de preencher o formulário de registro básico, alunos de graduação, até mesmo alunos de graduação da Rutgers, também precisarão da permissão do instrutor para cada um dos três cursos,
    • Profissionais em atividade e outros da comunidade que não são mais filiados como alunos em alguma instituição de ensino superior. Esses inscritos podem se inscrever em cada curso preenchendo o formulário básico de inscrição, mas precisarão da permissão do professor, além de se inscrever no Privacidade de Informação.
    • Estudantes de graduação. O formulário de registro básico será exigido para alunos de pós-graduação não Rutgers que desejam se inscrever em qualquer um dos três cursos exigidos.

    A taxa de matrícula da Faculdade de Direito por crédito é de $ 1.076 por crédito no estado e $ 1.630 por crédito para residentes de fora do estado. Os três cursos obrigatórios totalizam 7 créditos (5 créditos se o add-on de 2 a 8 de agosto for dispensado).

    Um catálogo detalhado de cursos para a sessão de verão para estudantes visitantes pode ser encontrado nas guias abaixo.

    Para mais informações sobre o custo das sessões de verão e inverno, clique aqui.

    Interessado em receber atualizações sobre as aulas de verão / inverno da Rutgers Law School e outras ofertas? Por favor, preencha um formulário aqui.


    Grandes aventuras

    Nos encontramos de manhã para combater o calor. Traga sua bicicleta, capacete, luvas, água e um tubo reserva. 9h-12h em vários locais no Vale do Napa.

    6/19, 6/26, 7/3, 7/31, 8/14, 8/21, 8/28

    Programas Depois da Escola Durante o ano letivo, os grupos de aventura dos alunos se reúnem dois dias por semana depois da escola em vários locais ao ar livre no Vale do Napa. Os programas de segunda e sexta ou terça e quinta-feira acontecem das 16h00 às 18h00. Os alunos se matriculam por um período mínimo de 3 semanas de cada vez.

    Inscrição é garantido pelo preenchimento de formulários médicos e de liberação (clique em Saiba mais abaixo) e pelo pagamento. Você receberá um e-mail com informações sobre o seu programa assim que os formulários forem preenchidos.

    Pagamento vence o mais tardar no primeiro dia do programa. O custo do programa é de $ 45 / hora. Visite Nature Science Adventure Pods ou Paul Cooke

    Também aceitando Venmo @ Paul-Cooke-15

    Satisfação garantida-Um reembolso total está disponível se você não ficar satisfeito após o primeiro dia do programa.


    Uma ilustração de psicoterapia interpessoal para depressão perinatal

    Este é o caso de uma mulher de 38 anos casada que apresentou transtorno depressivo maior um mês após o nascimento de seu terceiro filho. O episódio depressivo começou em um contexto de dificuldades interpessoais com o marido. Além disso, ela também estava lutando contra um conflito interno de continuar a perseguir seu sonho de carreira como obstetra e cumprir sua responsabilidade como esposa e mãe. A psicoterapia interpessoal (IPT) foi selecionada como a escolha de tratamento como um tratamento periparto baseado em evidências que poderia abordar especificamente as duas áreas problemáticas apresentadas, ou seja, disputa interpessoal conjugal e transição de papéis. Este artigo fornece uma ilustração das sessões do IPT conduzidas com seleções textuais das sessões.

    1. Introdução

    A psicoterapia interpessoal (IPT) é um tratamento baseado em evidências com aplicações específicas para transtornos do humor perinatal que se concentra no conflito interpessoal, transição de papéis e luto ou perda. O IPT aborda essas áreas problemáticas, ampliando a rede social de apoio, melhorando a comunicação e a dramatização de respostas adaptativas práticas [1].

    O IPT foi desenvolvido na década de 1970 como um tratamento psicoterápico manualizado para fins de pesquisa e, portanto, tem a vantagem de décadas de dados de pesquisa para contribuir para a nossa compreensão teórica do início da psicopatologia e do mecanismo de mudança [2]. O IPT é baseado em três referenciais teóricos, ou seja, teoria do apego, teoria interpessoal e teoria social. IPT incorpora princípios comuns de psicoterapia, como empatia e habilidades de resolução de problemas. [2-5].

    IPT é um tratamento transdiagnóstico eficaz para transtornos psiquiátricos com referência específica ao tratamento de transtorno depressivo maior [6-11]. O IPT entende que a depressão maior é um distúrbio médico e que eventos significativos da vida e um suporte social pobre contribuem para o início do distúrbio [4, 12]. Este caso ilustra o tratamento com IPT para transtorno depressivo maior com início perinatal.

    2. Apresentação do caso

    É o caso de uma senhora de 38 anos com três filhos. Ela apresentou início perinatal de transtorno depressivo maior, relatando sintomas de humor deprimido, irritabilidade, desamparo, anedonia e insônia. Esses sintomas começaram cerca de 4 semanas após o parto e persistiram por 6 semanas antes da consulta. Não houve episódios depressivos anteriores. Ela pontuou 19 no Questionário de Saúde do Paciente-9 (PHQ-9), indicando depressão moderadamente grave. Ela descreveu ruminações depressivas e fadiga de fazer malabarismos com vários papéis como esposa, mãe, filha e nora. No entanto, ela tinha medo de falar com sua família sobre seus fatores estressantes por medo de envolvimento excessivo de seus sogros. Consistente com a sintomatologia depressiva perinatal, ela endossou pensamentos ego-distônicos sobre deixar o bebê cair, mas foi assiduamente cuidadosa ao cuidar do bebê. Não houve ideação suicida.

    Antes de seu casamento, ela trabalhava como médica no departamento médico de um hospital. Ela desistiu do trabalho clínico há 5 anos para fazer trabalho administrativo no hospital, porque a natureza do seu trabalho exige disponibilidade no turno da noite e seu marido e sogros não aprovaram seu trabalho noturno. No entanto, ela estava entediada com o trabalho administrativo mundano. Enquanto o marido avançava na carreira, ela se sentia deixada para trás em seu desejo de desenvolvimento profissional. Ela se sentia culpada por querer seguir sua carreira e pensar que seus filhos eram a razão de ela se sentir insatisfeita com a vida agravando suas ruminações culpadas. Ela já vinha pensando em voltar ao trabalho clínico há algum tempo, porém, estava com medo de fazer a mudança. Nesse ínterim, ela teve dificuldade em comunicar essas emoções ao marido devido ao medo de que ele não fosse capaz de compreendê-la e dar-lhe apoio emocional.

    2.1. Intervenção Terapêutica

    Ela apresentou sintomas de depressão pós-parto que foram clinicamente significativos. Seus sintomas não faziam parte das experiências normais do pós-parto, porque os sintomas pioram ao longo de semanas e afetam sua função social e capacidade de cuidar dos filhos. Além disso, havia ideações de infanticídio associadas. Não houve comorbidade. O tratamento farmacológico foi então justificado e Escitalopram foi iniciado e otimizado para 20 mg ON.

    Intervenção psicológica especificamente psicoterapia interpessoal também foi oferecida ao paciente. Ela era uma candidata adequada à psicoterapia interpessoal, porque estava ciente de suas emoções e pensamentos internos e estava motivada a fazer mudanças para melhorar sua situação. Uma abordagem IPT colaborativa foi iniciada para formular seus problemas atuais com foco na disputa interpessoal e transição de papéis.

    2.2. Psicoterapia Interpessoal
    2.2.1. Sessão 1

    A primeira sessão do IPT envolveu a avaliação do apego e estilo de comunicação, bem como a revisão da rede de apoio social através do uso de inventário interpessoal (IPT-I). O paciente foi convidado a anotar nomes de pessoas de sua rede social no IPT-I. Aqueles de quem o paciente se sentia mais próximo ou tinham fornecido mais apoio estavam no círculo interno. Em seguida, o paciente era convidado a falar sobre cada uma das pessoas do círculo, principalmente no que se referia a incidentes interpessoais, gostos e desgostos, bem como desafios no relacionamento. Esses detalhes interpessoais fornecem informações importantes sobre suas necessidades, padrão de enfrentamento e estilo de apego.

    No IPT-I, o marido e a mãe da paciente foram identificados como mais próximos da paciente, pois faziam parte do círculo interno do IPT-I. A paciente descreveu sua mãe como uma pessoa muito compreensiva em quem ela podia confiar. Ela descobriu que sua mãe também sofria de depressão pós-parto e que sua mãe havia compartilhado sua experiência de lidar com o transtorno. Seus filhos, prima e melhor amiga estavam no círculo intermediário do IPT-I. Sentia-se à vontade para contar suas dificuldades à prima e melhor amiga, pois ambas eram mães trabalhadoras, permitindo-lhes compreender facilmente sua situação. Seu pai estava no círculo externo. Ela gostava de seu pai, que era franco e amigável. No entanto, ela não tinha o hábito de confiar em seu pai por suas dificuldades emocionais. Seus sogros estavam fora do círculo. Freqüentemente, interferiam nas decisões sobre cuidados infantis e isso a deixava estressada e frustrada. Seu recém-nascido também estava fora do círculo. Ela se sentia distante dela, e isso infligia culpa à paciente.

    Uma avaliação inicial concluiu que o paciente tinha um estilo de apego fundamentalmente seguro, mas tornou-se indiferente quando sob estresse. Antes desse episódio depressivo periparto, a paciente era capaz de comunicar suas necessidades de maneira eficaz e sentir-se apoiada pelo marido. No entanto, devido a desapontamentos recorrentes quando seu marido não conseguia entender suas necessidades, ela recentemente fica relutante em falar com seu marido. Quando estava estressada, ela preferia se isolar, principalmente do marido, porque o considerava indigno de confiança em suas necessidades. Ela se considerou competente para lidar com seu estresse sozinha, mesmo durante o período periparto. Esta é uma indicação de um estilo de apego desdenhoso (Figura 1) [2].

    2.2.2. Sessão 2

    Na sessão seguinte, um resumo do IPT foi formado em colaboração com a paciente para ajudá-la a compreender os vários fatores que contribuíram para seu sofrimento psicológico e a desenvolver metas específicas para o tratamento breve (Figura 2). As áreas problemáticas do IPT foram identificadas como disputa interpessoal com o marido e também transição de papéis. Ela estava lutando com um conflito interno de seu papel como mãe, esposa e mulher de carreira moderna que estava ansiosa para se destacar em sua carreira, causando-lhe culpa e insatisfação com a vida. Ela também enfrentou a interferência de seus sogros, que tinham uma visão tradicional sobre o papel da mulher no casamento. Embora gostasse do trabalho clínico, ela estava preocupada com a possibilidade de não ser capaz de recuperar suas habilidades, porque ela havia perdido o contato com o trabalho clínico por mais de 5 anos. Além disso, ela também estava preocupada por não poder cumprir suas responsabilidades como esposa e mãe caso voltasse ao trabalho clínico.

    2.2.3. Sessão 3

    O gráfico de disputa interpessoal foi usado para ajudá-la na comunicação com o marido e para obter o seu apoio. Forneceu um indicador visual da diferença entre sua percepção do problema e sua percepção da visão de seu marido em relação ao problema e a ajudou a reavaliar a gravidade percebida do problema. Pelo gráfico de disputa interpessoal, ela percebeu que o problema não era tão abertamente grave. O ponto de intersecção da gravidade e importância do problema anotado no gráfico nem mesmo cruzou no meio do eixo da gravidade (Figura 3). Ela estava preocupada com a percepção do marido sobre a depressão como um sinal de fraqueza e pensamento excessivo. Concordamos em convidar seu marido para uma sessão de psicoeducação e discussão sobre suas dificuldades. A disposição de seu marido em acompanhá-la durante a sessão deu-lhe esperança de que o problema pudesse ser resolvido. O marido dela adquiriu mais compreensão sobre a doença dela depois que ele foi educado na sessão sobre os sintomas dela, os fatores contribuintes e o tratamento da depressão. Isso foi útil para preencher a lacuna entre as diferenças de percepção do problema.

    2.2.4. Sessão 4

    Uma exploração mais aprofundada dos incidentes interpessoais revelou que a paciente estava tendo dificuldade em ter a ajuda do marido nos cuidados com o bebê. Ela percebeu que o marido parecia não saber o que fazer quando o bebê chorava e rapidamente passava o bebê para ela. A dramatização de um cenário futuro semelhante foi realizada durante a sessão de consulta. Ao pé da letra da dramatização é o seguinte:

    Paciente (como marido): Querida, o bebê está chorando de novo. Eu acho que você precisa dar uma olhada.

    Terapeuta (como paciente): Minha querida (bebê). Pronto pronto. Parece que a fralda está molhada. Não se preocupe, papai vai fazer você se sentir melhor muito em breve. Primeiro, papai vai tirar você dessa fralda ...

    2.2.5. Sessão 5

    Ela relatou na sessão que experimentou a dramatização da sessão anterior e ficou satisfeita porque o marido respondeu bem. Seus sintomas depressivos melhoraram muito. Ela marcou 1 no PHQ-9. Ela estava começando a pensar em retornar ao trabalho clínico, mas não se sentia confiante em suas habilidades devido ao intervalo de 5 anos no emprego. Ela tentou contar ao marido sobre suas preocupações, mas a resposta dele não validou seu medo. Ela se sentiu pressionada por ele a tomar uma decisão sobre sua escolha de carreira e retornar ao trabalho em breve. Colaborativamente, uma análise deste incidente interpessoal chave foi realizada e um estilo de comunicação mais adaptável foi desempenhado durante a sessão de terapia. Na sessão de terapia, a terapeuta descobriu que o marido da paciente tinha algumas preocupações em retornar ao trabalho de campo depois de ter sido designado para um trabalho administrativo por um longo tempo. Durante a encenação, o terapeuta (como paciente) tentou ajudar seu marido (paciente) a entender seu medo usando sua própria experiência de retornar ao trabalho de campo como exemplo.

    2.2.6. Sessão 6

    Ela relatou que conseguiu manter a conversa com o marido da mesma forma que o papel representado na sessão anterior. Ela ficou surpresa e satisfeita ao ver que seu marido agora era capaz de entender seu medo. Além disso, seu marido a tranquilizou sobre sua capacidade de retornar ao trabalho clínico. No entanto, ela continuou a ter sentimentos confusos sobre a transição de um papel na carreira.

    Uma ferramenta importante do IPT para o trabalho de transição de funções é a linha do tempo do IPT. Isso foi usado nesta sessão para entender melhor a história de suas aspirações durante os primeiros anos de sua carreira e a transição de papéis que ela fez depois que se casou. Isso ajudou a paciente a perceber que ela poderia pensar sobre sua carreira de forma mais flexível e talvez oferecer seu serviço em uma clínica geral ou gratuita e não teria que desistir totalmente de sua carreira de médica. Mesmo assim, a paciente ainda duvidava de suas habilidades clínicas. A linha do tempo de transição de funções foi usada para revisitar seu primeiro dia de trabalho como médica, onde ela teve que trabalhar em um novo ambiente longe de casa. Isso a ajudou a explorar como ela lidou com a situação. Foi sugerido que o mesmo método de enfrentamento pode ser usado caso ela retorne ao trabalho clínico. A literal da sessão é fornecida abaixo.

    P: Estou melhor. Eu acho que estou melhor. Então, outro dia, quando voltei da sessão, disse ao meu marido que precisava falar com ele.

    T: Parece um bom começo.

    P: Sim. É muito bom depois de falar com ele. Ele disse que não entendia o que significava para mim voltar ao trabalho clínico, mas sentia que eu posso fazer isso. Saber que ele tem confiança em mim me dá confiança e conforto.

    T: Isso é ótimo. Então, ter aquela conversa com ele foi útil. Portanto, se voltarmos aos seus objetivos de voltar ao trabalho clínico e ao mesmo tempo ainda ter tempo para seus filhos. Você tem alguma ideia de como seria capaz de conseguir isso?

    P: Comecei com grandes aspirações. Mas agora, uma mudança na carreira e aí vem a família….

    T: Eu gostaria de escrever em um pedaço de papel para que possamos visualizá-lo. Então, esta linha aqui é uma linha do tempo, e aqui, é onde ocorrem algumas mudanças em sua vida. Portanto, gostaria de me concentrar nos objetivos. Então, essa linha aqui, podemos dizer que isso é antes de você ter filhos e isso é depois?

    T: Então, quais eram suas aspirações antes de ter filhos?

    P: Eu queria ser obstetra.

    T: Ok, vamos colocar isso no papel aqui ... obstetra. O que aspira a ser um?

    P: Quando eu era mais jovem, assisti a um filme sobre a vida de um médico ajudando mulheres com partos difíceis em uma aldeia. Desde então, sempre quis fazer o mesmo.

    T: Então você estava motivado para ajudar as mulheres. Você queria ser médico porque foi motivado por ...?

    P: Por caridade, ajudando os outros.

    T: Caridade. Podemos ter isso escrito na linha do tempo?

    P: Sim. Se eu voltar a fazer trabalho clínico com horários flexíveis, terei mais tempo para fazer trabalhos de caridade.

    T: Ótimo! Que tipo de trabalho de caridade você tem em mente?

    P: Eu estava pensando em talvez ser voluntário em uma clínica gratuita. Eu fiz isso uma vez, muitos anos atrás. Eu não poderia continuar fazendo isso então. Se eu tiver um horário de trabalho mais flexível, espero poder fazê-lo novamente.

    T: Parece um plano. Ok, vamos escrever isso. Então, olhando para isso, não significa que você não seja capaz de fazer o que sonha completamente. Você ainda pode fazer o que quiser, apenas em um ambiente ligeiramente diferente, mas ainda estará ajudando as pessoas.

    P: Em termos de ajudar as pessoas ... sim. Mas a carreira é diferente.

    T: Sim. Então, se pegarmos isso e colocarmos na linha do tempo, você não está desistindo totalmente daquilo que aspira a você.

    P: Sim. Acho que você está certo.

    T: Existe alguma outra maneira pela qual você será capaz de ajudar outras pessoas com seus conhecimentos médicos?

    P: Sim, bem ... acho que posso trabalhar em uma clínica local porque o horário é mais flexível e não preciso estar de plantão. Mas eu sei que estou 'arrastando' e não estabelecendo uma data para realmente fazer isso.

    T: Você sabe o que está te impedindo de fazer isso?

    P: Sim ... Não faço trabalho clínico há muito tempo. Não tenho certeza se ainda tenho as habilidades.

    T: Acho que é normal se sentir assim. Acho que vai ser como o primeiro dia em que você estava trabalhando como estagiário há muitos anos. Vamos deixar uma marca na linha do tempo aqui, primeiro dia como estagiário. Como foi para você então?

    P: Oh sim. Eu estava nervoso.

    T: Então, como você controlou seus nervos?

    P: Bem, tenho amigos que fizeram isso comigo.

    T: Então você tem amigos que te apoiaram. Vamos escrever na linha do tempo. Como você seria capaz de adotar como você lidou naquela época para ajudá-lo agora?

    P: Bem. Na verdade, tenho um amigo que teve uma experiência semelhante à minha. Acho que posso perguntar a ela sobre sua experiência.

    P: Mas você acha que isso é a coisa certa a fazer, voltar ao trabalho clínico?

    T: Bem, para ser sincero, não tenho uma resposta para você. Mas tivemos várias sessões para que eu pudesse conhecê-lo melhor. O que percebi é que fazer trabalho clínico é algo que você gostava de fazer no passado, mas você tem que parar de fazer isso por um tempo por causa de novas prioridades, sua família e filhos e eu sinto que se você não tentar ir De volta ao trabalho clínico, temo que seja algo de que você se arrepende e o deixa pensando: “E se eu tivesse tentado, se tivesse ido e feito.” É o que penso. O que você acha?

    R: Acho que se não tentar, ficarei preso neste ciclo viscoso e ficarei infeliz. Portanto, quero interromper esse ciclo.

    B: Sim, acho que é um bom motivo para fazer isso. Então, talvez a lição de casa de hoje seja adotar como você lidou anteriormente, que é pedir apoio aos amigos, e usar isso para ajudá-lo na situação atual.

    2.2.7. Sessão 7

    Ela ficou satisfeita em relatar que havia feito algumas leituras para atualizar seus conhecimentos e isso aumentou sua confiança. Ela conseguiu uma entrevista de emprego na clínica local e recebeu uma oferta de emprego. Seu horário de trabalho era flexível e ela teve tempo para pegar seus filhos no jardim de infância. Foi um sonho que se tornou realidade para ela. No entanto, ela descobriu que seu marido concordou com arranjos de creche sugeridos por seus sogros, sem discussão prévia com ela. Isso resultou em uma discussão com o marido que a deixou com raiva e decepcionada. A análise desse incidente interpessoal foi feita, e um estilo mais adaptativo de comunicação foi representado durante a sessão de terapia. Durante a encenação, ela aprendeu que era útil expressar seus sentimentos usando a afirmação I. (“Não me senti respeitado quando você não discutiu as decisões sobre cuidados infantis comigo antes de tomar decisões. Espero que possamos discutir este assunto e chegar a uma decisão juntos.” Em vez de “Você não se importou com meus sentimentos. Como você poderia decidir sobre isso antes mesmo de falar comigo? ”) Ela decidiu fazer arranjos para falar com seu marido sobre arranjos de cuidados infantis na semana seguinte. Ela sentiu que a melhor hora para ter uma conversa com o marido era depois do jantar, no fim de semana seguinte.

    2.2.8. Sessão 8

    Ela relatou que a conversa com o marido sobre os arranjos para cuidar dos filhos correu bem. Ela foi capaz de expressar suas necessidades de que ele discutisse assuntos importantes com ela para chegar a uma decisão colaborativa. Ele também concordou em informar seus sogros sobre sua decisão coletiva sobre cuidados infantis. Isso deu a ela uma grande sensação de alívio. Nesta sessão, ela comunicou sua necessidade de falar com o marido para ajudá-la a dar banho nos filhos pela manhã nos fins de semana. Ela mencionou que ele havia começado a ajudar no passado, quando ela pediu que ele o fizesse. No entanto, com o passar do tempo, a responsabilidade parecia recair sobre ela. A dramatização de conversas adaptativas sobre esse assunto foi feita na sessão.

    2.2.9. Sessão 9

    Ela conversou com o marido e pediu-lhe que ajudasse a dar banho em seus filhos nos fins de semana. A conversa com seu marido permitiu que ela entendesse a necessidade de seu marido dormir até tarde nos fins de semana e, portanto, explicou sua preferência de dar banho nas crianças no final da tarde. Eles conseguiram negociar um acordo mútuo e o conflito foi resolvido. Além disso, a paciente percebeu que tinha tendência a concluir que seu marido não estava disposto a ajudá-la sem considerar as necessidades de seu marido. Esta é uma revelação importante que pode ajudar a reduzir futuros conflitos interpessoais entre a paciente e seu marido.

    2.3. Sessões de Conclusão

    Ela continuou a relatar melhora nos sintomas depressivos nas próximas sessões, sem maiores problemas de IPT. Os objetivos iniciais do IPT de foram revistos. Ela relatou melhora no relacionamento com o marido e se sentiu mais confiante para começar a fazer o trabalho clínico em uma clínica de clínica geral, concluindo, portanto, que os objetivos do IPT foram alcançados. Discussão sobre a possível recaída dos sintomas e plano de ação quando a recaída for realizada. Ela foi encorajada a compartilhar seus sentimentos sobre a conclusão de sessões agudas de IPT. Ela achou o IPT muito útil. Ela ficou feliz em concluir as sessões agudas e as sessões de manutenção contínuas.

    2.4. Resultado e Acompanhamento

    Na conclusão de seu tratamento agudo de IPT, ela conseguiu cuidar de seus dois filhos mais velhos e do recém-nascido com a ajuda de seu marido. Ela se sentiu mais capacitada para iniciar uma carreira no trabalho clínico. Sua depressão melhorou e ela conseguiu obter a remissão dos sintomas.

    3. Discussão

    A depressão perinatal é um transtorno depressivo que ocorre em mulheres durante a gravidez ou no período pós-natal [13]. A prevalência da depressão perinatal varia entre os diferentes países. A prevalência de depressão perinatal em países de alta renda varia de 7 a 15%, enquanto a prevalência em países de baixa e média renda é duas vezes maior [14, 15]. Studies indicate that one in four women in South Asian countries suffered from depression during perinatal period [16].

    Perinatal depression causes considerable social, economic, and health care burden on women, their partners, extended family, and children [17]. The impact is noted to be higher on women in low- and middle-income countries [15]. In addition to biological vulnerability to major depression, low social support, interpersonal conflict, and difficulties in role transition and gender inequality are important risk factors leading to perinatal depression [18–20].

    IPT is an effective psychotherapy treatment for perinatal depression, because it targets specific interpersonal factors related to depression in women during the perinatal period [21]. Specifically, IPT focuses on mobilizing social support for the smooth transition into motherhood. As demonstrated in this case report, IPT was effective for this patient in dealing with her interpersonal conflict and pursuing her career.

    The recommended structure for acute IPT treatment is at least 12 sessions of therapy. However, therapy should be tailored to fit the patient’s needs rather than forcing the patient into a rigidly structured therapy [22]. Therapeutic collaboration that takes into account the patient’s needs is an important factor that predicts therapeutic outcomes [23]. In this case, the patient showed great improvement in symptoms and return of normal functioning level following 9 sessions of acute treatment, and she was comfortable to move forward to concluding and maintenance sessions. Nevertheless, research study demonstrated acute treatment is not sufficient to prevent relapse [21]. Thus, maintenance IPT sessions following acute sessions are needed to prevent future relapse.

    One of the focuses of IPT in this case is to deal with interpersonal dispute the patient had with her husband. In IPT, interpersonal dispute is resolved by helping the patient to express needs and wishes through modelling of adaptive communication in therapy session. A resolution is successfully achieved when an understanding is met with some compromise on both part. In the recurrent pattern of interpersonal dispute, IPT involves helping the patient to gain awareness of unspoken assumptions and nonreciprocal expectations related to the dispute. This was demonstrated in this case.

    Since the mid-1970s, there has been a shift towards a more egalitarian view of the roles and responsibilities of a married couple [24]. This has led to an increased degree of responsibility assumed by working married women, and this correlated with higher incidents of interpersonal conflicts within couples. Women in dual-earning families experienced pressures from the demands of multiple roles and responsibilities associated with work and family. Many work and family conflicts arise from issues concerning gender ideology and household task division [25]. Gender ideology is defined as beliefs regarding normal roles and responsibilities of men and women in a marriage [25, 26]. Research findings show that husbands with traditional gender ideology are less likely to share the burden in childcare and household chores leaving their wives unsupported in their struggle to find balance between the demands of work and family roles [25, 26]. Gender inequality in household task division is found to be related to relationship dissatisfaction and relationship dissolution [27].

    The difficulties faced by working women in handling work-life balance are clearly demonstrated in this case. The patient was forced to give up her career as a doctor after marriage as her husband and in-laws did not approve of her working night shifts. Her husband relied on her on childcare and many household chores, thus increasing the level of stress she faced. She was also worried about expressing her difficulties due to depression as a result of fear of overinvolvement of her in-laws. Relationships with in-laws play an important role in a marriage. The type and quality of the in-law relationship can be a source of stress or support for the couples and thus has an impact on marital satisfaction and quality of life [28]. Conflict may arise if there is a difference between in-laws and couples with regards to traditional versus egalitarian views of autonomy and boundaries in a marriage [29].

    In conclusion, interpersonal dispute and difficulties in role transition are common factors for perinatal depression. IPT is empirically proven to be effective for treatment of peripartum depression.

    Disponibilidade de dados

    Os dados usados ​​para apoiar as conclusões deste estudo estão incluídos no artigo.

    Additional Points

    Learning Points. Interpersonal disputes between couples and the role transition into motherhood and multiple roles of working women following delivery are important risk factors to consider for perinatal depression. Interpersonal psychotherapy (IPT) is an effective treatment for women suffering from perinatal depression as a result of these factors. IPT focuses on improving communication and adopting practical adaptive responses via role play during therapy session.

    Conflitos de interesse

    The author declares no conflict of interests.

    Agradecimentos

    The author wishes to thank Clinical Assistant Professor Ann Back Price for her guidance and assistance, Dr. Chan Weng Lok, and HTSIL team for their support. The authors would also like to thank the Director General of Health Malaysia for his permission to publish the article.

    Referências

    1. M. Weissman, J. Markowitz, and G. Klerman, The Guide to Interpersonal Psychotherapy, Oxford University Press, Oxford, 2017.
    2. S. Robertson, Interpersonal Psychotherapy a Clinicians Guide, CRC Press, London, 2012.
    3. J. D. Frank, “Therapeutic factors in psychotherapy,” American Journal of Psychotherapy, vol. 25, não. 3, pp. 350–361, 1971. View at: Publisher Site | Google Scholar
    4. J. C. Markowitz and M. M. Weissman, “Interpersonal psychotherapy: principles and applications,” World Psychiatry, vol. 3, não. 3, pp. 136–139, 2004. View at: Google Scholar
    5. S. E. Gilbert and K. C. Gordon, “Interpersonal psychotherapy informed treatment for avoidant personality disorder with subsequent depression,” Clinical Case Studies, vol. 12, não. 2, pp. 111–127, 2012. View at: Publisher Site | Google Scholar
    6. D. Fiore, G. Dimaggio, G. Nicoló, A. Semerari, and A. Carcione, “Metacognitive interpersonal therapy in a case of obsessive–compulsive and avoidant personality disorders,” Journal of Clinical Psychology, vol. 64, nº 2, pp. 168–180, 2008. View at: Publisher Site | Google Scholar
    7. R. F. Campanini, A. F. Schoedl, M. C. Pupo, A. C. H. Costa, J. L. Krupnick, and M. F. Mello, “Efficacy of interpersonal therapy-group format adapted to post-traumatic stress disorder: an open-label add-on trial,” Depression and Anxiety, vol. 27, no. 1, pp. 72–77, 2010. View at: Publisher Site | Google Scholar
    8. National Collaborating Centre for Mental Health, Depression: the NICE Guideline on the Treatment and Management of Depression in Adults, British Psychological Society, Leicester, 2010.
    9. A. K. Rafaeli and J. C. Markowitz, “Interpersonal psychotherapy (IPT) for PTSD: a case study,” American Journal of Psychotherapy, vol. 65, não. 3, pp. 205–223, 2011. View at: Publisher Site | Google Scholar
    10. G. Dimaggio, G. Salvatore, A. Macbeth, P. Ottavi, L. Buonocore, and R. Popolo, “Metacognitive interpersonal therapy for personality disorders: a case study series,” Journal of Contemporary Psychotherapy, vol. 47, no. 1, pp. 11–21, 2017. View at: Publisher Site | Google Scholar
    11. R. M. Mahan, S. A. Swan, and J. Macfie, “Interpersonal psychotherapy and mindfulness for treatment of major depression with anxious distress,” Clinical Case Studies, vol. 17, não. 2, pp. 104–119, 2018. View at: Publisher Site | Google Scholar
    12. X. Wang, L. Cai, J. Qian, and J. Peng, “Social Support Moderates Stress Effects on Depression,” International Journal of Mental Health Systems, vol. 8, não. 1, pág. 41, 2014. View at: Publisher Site | Google Scholar
    13. American Psychiatric Association, Diagnostic And Statistical Manual Of Mental Disorders: DSM-5, American Psychiatric Association, Washington (D.C.), 2013.
    14. J. Fisher, M. C. Mello, V. Patel et al., “Prevalence and determinants of common perinatal mental disorders in women in low- and lower-middle-income countries: a systematic review,” Bulletin of the World Health Organization, vol. 90, não. 2, 2012. View at: Publisher Site | Google Scholar
    15. C. Woody, A. Ferrari, D. Siskind, H. Whiteford, and M. Harris, “A systematic review and meta-regression of the prevalence and incidence of perinatal depression,” Journal of Affective Disorders, vol. 219, pp. 86–92, 2017. View at: Publisher Site | Google Scholar
    16. R. Mahendran, S. Puthussery, and M. Amalan, “Prevalence of antenatal depression in South Asia: a systematic review and meta-analysis,” Jornal de Epidemiologia e Saúde Comunitária, vol. 73, não. 8, pp. 768–777, 2019. View at: Publisher Site | Google Scholar
    17. A. G. Mersha, S. A. Abebe, L. M. Sori, and T. M. Abegaz, “Prevalence and associated factors of perinatal depression in Ethiopia: a systematic review and meta-analysis,” Depression Research and Treatment, vol. 2018, 8 pages, 2018. View at: Publisher Site | Google Scholar
    18. M. Muzik and S. Borovska, “Perinatal depression: implications for child mental health,” Mental Health in Family Medicine, vol. 7, não. 4, pp. 239–247, 2010. View at: Google Scholar
    19. M. S. Epifanio, V. Genna, C. D. Luca, M. Roccella, and S. L. Grutta, “Paternal and maternal transition to parenthood: the risk of postpartum depression and parenting stress,” Pediatric Reports, vol. 7, não. 2, 2015. View at: Publisher Site | Google Scholar
    20. M. Takegata, Y. Ohashi, A. Lazarus, and T. Kitamura, “Cross-national differences in psychosocial factors of perinatal depression: a systematic review of India and Japan,” Healthcare, vol. 5, não. 4, pág. 91, 2017. View at: Publisher Site | Google Scholar
    21. S. Stuart, “Interpersonal psychotherapy for postpartum depression,” Clinical Psychology & Psychotherapy, vol. 19, não. 2, pp. 134–140, 2012. View at: Publisher Site | Google Scholar
    22. S. Stuart and M. Robertson, Interpersonal Psychotherapy: A Clinician’s Guide, Hodder Education, London, 2012.
    23. A. Corrêa, E. Ribeiro, D. Pinto, and A. S. Teixeira, “Therapeutic Collaboration and Significant Events to the Client’s Change: A Systematic Review,” International Journal of Psychology and Psychological Therapy, vol. 16, não. 1, 2016. View at: Google Scholar
    24. P. Morill, Couples in Great Marriages with a Traditional Structure and Egalitarian Relationship, 2006.
    25. A. Ahmad, “Gender role orientation of husbands and work-family conflict of wives in dual-earner families,” pertanika Journal of social science and Humanities, vol. 7, não. 1, pp. 1–9, 1999. View at: Google Scholar
    26. J. Cerrato and E. Cifre, “Gender inequality in household chores and work-family conflict,” Fronteiras em psicologia, vol. 9, 2018. View at: Publisher Site | Google Scholar
    27. B. S. Okun and L. Raz-Yurovich, “Housework, gender role attitudes, and couples fertility intentions: reconsidering mens roles in gender theories of family change,” Population and Development Review, vol. 45, não. 1, pp. 169–196, 2019. View at: Publisher Site | Google Scholar
    28. K. L. Fingerman, M. Giligan, L. VanderDrift, and L. Pitzer, “In-law relationships before and after marriage,” Research in Human Development, vol. 9, não. 2, pp. 106–125, 2012. View at: Publisher Site | Google Scholar
    29. W. Cupach and B. Spitzberg, The Dark Side of Close Relationships II, Routledge, New York, 2011.

    Direito autoral

    Copyright © 2020 Huey Jing Renee Tan. Este é um artigo de acesso aberto distribuído sob a Licença de Atribuição Creative Commons, que permite o uso irrestrito, distribuição e reprodução em qualquer meio, desde que o trabalho original seja devidamente citado.


    2021 Dates & Rates

    We’re looking forward to summer 2021. We need dirt. And air that smells like air. We need to gather wood and our friends, to make s’mores and sing silly songs. To feel the tiredness that only hiking and playing outside all day in the summer heat brings. To rest our bodies in our cozy sleeping bags.

    Since 1941, Camp Natoma programs are ENTIRELY OUTDOORS and SCREEN-FREE, providing an excellent setting for personal growth and rejuvenation. As we approach next summer and Camp Natoma’s 80th year, we know that now, more than ever, kids must camp.

    Please understand that it is likely we will need to make adjustments to programs, procedures, and policies as we get closer to summer as regulations and recommendations for best practices change. Our team is working diligently with federal, state, and local officials (including the CDC, California Department of Health, and the American Camp Association) as health and safety is our top priority. We will continue to communicate plans for Camp Natoma via our website, as well as emails directly to families of enrolled campers, as we finalize plans for Summer 2021!


    We expect the demand for Camp Natoma programs to continue to increase. We recommend you register early to secure your desired session! Waitlist information will be updated at the bottom of this page.

    2021 Session Dates

    Session #1 June 28 - July 4

    Session #2 July 5 - 11

    Session #3 July 12 - 18

    Session #4 July 19 -25

    Session #5 July 26 - August 1

    Session #6 August 2 - 8

    Session #7 August 9-15

    Por favor note sessions run MONDAY through SUNDAY (6 nights).

    Some sessions are forming waitlists for certain age groups - if this applies to your potential camper, please give us a call and we'll see if we can add them to the desired session.

    2021 Registration Rates

    One Session Registration: $850

    Discounts: Sibling, Multiple Session are applied at checkout. Teen Leadership Program (CIT) is $250/session.

    How to Register

    Create a CampBrain account, complete the registration form, and pay a deposit.

    Using your CampBrain account, access additional required paperwork - including very important healthcare forms and pay balance of fees.

    Check your email for regular updates from Camp Natoma. Follow @CampNatoma on social media for more camp information and links to current events!

    Be sure to read the Parent Info Packet carefully, it contains additional program details, driving directions, a packing list, check-in details, camp policies, and more.

    Full payment is required to be received by Camp Natoma by May 1, 2021. Camp Natoma reserves the right to cancel the registration if payments are not received. No refund will be given. Registrations received after May 1, 2021 will need to be paid in full at time of registration.

    Healthcare forms will be available on May 1, 2021 and are due by June 1, 2021.

    Cancellation & Refund Policy

    In 2020, at great financial loss, Camp Natoma changed the existing cancellation policy and was able to offer a full refund to all families that requested it. For the 2021 season, we will not be offering a full refund, regardless of whether we are able to run our camp sessions or not (due to Covid-19, wildfire, or some other circumstance).

    Cancellations received prior to May 1, 2021 will receive a refund for registration fees less the $250 deposit.

    No refunds will be given for cancellations after May 1, 2021.

    Dismissal from camp is not grounds for refund.

    Session Availability/Waitlist Information

    If your desired session/age group has a waitlist, you can either add your camper to the waitlist, or give us a call to see if we can fit them in to that session group. 805-316-0163.

    Sleep Under the Stars. Connect With Nature. Be Creative.

    Camp Natoma is a traditional overnight summer camp located on California’s Central Coast, between San Luis Obispo and Paso Robles. Summer fun since 1941.

    Friends of Camp Natoma, Inc. is a 501(c)3 non-profit organization
    Tax ID #45-5529053


    Before You Start

    Session 1 - What’s Your Everest?

    #1 What’s Your Everest? - Part 1

    #1 What’s Your Everest? - Part 2 - How great leaders inspire action - Simon Sinek

    #1 What’s Your Everest? - Part 3

    Session 2 - Uncover Your Passion

    Session 3 - Share your story

    #3 Share Your Story - Part 1

    #3 Share Your Story - Part 3

    Session 4 - The First Unicorn Was Not Magical

    #4 The First Unicorn Was Not Magical

    Session 5 - A new world

    Session 6 - Making Ideas Happen

    #6 Making Ideas Happen - Part 1

    #6 Making Ideas Happen - Part 2

    Session 7 - Ideas: a real story

    Session 8 - The Startup Way

    #8 The way of the startup - BillGross_2015U-480p

    Session 9 - The Lean Startup

    Session 10 Reinventing Business

    #10 Reinventing Business - Business Model Canvas Explained

    #10 Reinventing Business - Ep 1 - Getting From Business Idea to Business Model

    #10 Reinventing Business - Ep 2 - Visualizing Your Business Model

    #10 Reinventing Business - Ep 3 - Prototyping

    #10 Reinventing Business - Ep 4 - Navigating Your Environment

    #10 Reinventing Business - Ep 5 - Proving It

    #10 Reinventing Business - Ep 6 - Telling Your Story

    Session 11 - The Lean Canvas

    #11 The Lean Canvas - Capture Your Business Model in 20 Minutes - Lean Canvas

    Session 12 - Talk To Customers

    #12 Talk To Your Customers

    Session 13 - Find Your early adopters

    #13 Find Your Early Adopters

    Session 14 - Build Your Predictive Persona

    Session 15 - The Path to Product

    Session 16 - Focus on Value

    Session 17 - Think Experiments

    Session 18 - Build Experiments

    Session 19 - Accelerate Progress

    #19 Accelerate Progress - Part 1

    #19 Accelerate Progress - Part 2

    #19 Accelerate Progress - Part 3

    Session 20 - Pitch Investors

    Session 21 - Pursue a Future Vision

    #21 Pursue a Future Vision

    Session 22 - Be Ready for Anything

    Session 23 - Make Your Own Luck

    Session 24 - The Secrets To Success

    #24 The Secrets to Success

    #24 The Secrets to Success - Secrets of success in 8 words, 3 minutes _ Richard St_ John(360p)


    March 22 , 2006 :: Applications Now Accepted for Free Summer Academies on College Campuses

    Oklahoma colleges and universities are inviting middle and high school students to visit their campuses this summer and explore math and science for free. Astronomy, architecture and forensics are a few examples of the fields they can explore at the 2006 Summer Academies in Math and Science.

    The free academies, sponsored by the Oklahoma State Regents for Higher Education, are open to upcoming eighth through 12th graders. Students can choose from 18 academies statewide. Each academy explores the latest trends in math and science, using fun, hands-on activities and experiments both in the classroom and outdoors. Many academies include field trips across the state or visits from Oklahoma companies that hire scientists. All academies are hosted on college campuses where students learn from professors and mentors.

    In addition to the learning activities, the academies also have free-time activities. Several academies allow the students to live on campus in their residence halls. The academies last from three days to one week. All are free to students.

    “This is the 16th year to offer Summer Academies, which shows just how popular they are,” Chancellor Paul G. Risser said. “They’re a great way for students to experience a college campus and explore careers.”

    Applications are accepted now many have deadlines. Because the academies are free and enrollment is limited, students are encouraged to apply early. To qualify, students need to be entering eighth through 12th grade next year. Officials emphasize the academies are not exclusive to top students they are designed to give all students a more in-depth opportunity to learn that math and science are fun.

    Applications and descriptions for each academy are available online at www.okhighered.org. Students also can get information from their school counselors or by calling 800.858.1840 toll-free.

    Public and independent colleges and universities compete to host the academies on their campuses. They submit proposals to the State Regents office, which are reviewed by a committee of educators from secondary and higher education. The top proposals are selected and forwarded to the State Regents for final approval. This year’s 18 academies are funded through appropriations to the State Regents by the 2005 Oklahoma Legislature.

    Academies offered this summer include:

    East Central University, Ada

    • Connecting Problem-Solving Strategies in Metrics, Geometry and Estimation to Landscaping and Architectural Design, June 26-30 (Grades 9-11)

    Murray State College, Tishomingo

    Northeastern State University, Broken Arrow

    Oklahoma City Community College

    • Mathematics in Astronomy and Space Technologies, July 10-14 (Grades 8-9)
    • Summer Biotechnology/Bioinformatics Discovery, June 12-16 (Grades 11-12)

    Oklahoma State University, Stillwater

    • Aerospace Education High School Summer Academy, June 18-23 (Grades 11-12)
    • Reaching Engineering and Architecture Career Heights, June 2-10 (Grades 11-12)

    Oklahoma State University – Oklahoma City

    • Architecture/Construction Academy, June 12-16 (Grades 9-10)
    • Surveying Academy, July 19-21 (Grades 10-12)

    Oklahoma State University Technical Branch – Okmulgee

    Oral Roberts University – Tulsa

    • An Integrated Program to Enhance Mathematics and Science Skills Through Hands-On Experiences, June 12-16 (Grades 8-9)

    Oklahoma Baptist University, Shawnee, and Seminole State College

    University of Central Oklahoma, Edmond

    • Engineering Physics: Team Science and Technology, Session I: June 5-9, Session II: June 12-16 (Grades 8-10)
    • Public Secrets: The Science of Encryption and Other Careers in Mathematics and Technology, Session I: June 25-30, Session II: July 9-14 (Grades 8-10)

    University of Oklahoma, Norman

    • Bridges to College Math, Science and Engineering, Session I: July 16-21, Session II: July 23-28 (Grades 11-12)

    University of Oklahoma Biological Station (near Lake Texoma)


    Leadership Seminar for Surgical Residents

    There will be a 6-month leadership seminar for you as surgical subspecialty residents at Boston Children’s Hospital. The reasons for the leadership seminar are: (1) the present inadequacy in team communication and leadership education and training surgeons receive early in their career and (2) the high risk surgeons and their patients face if they and their teams perform poorly in the operating room due to non-technical elements of care delivery.

    The seminar will run the 6 months of your surgical subspecialty residency in coordination with your technical training and surgical content education. The design of the seminar is for interweaving of leadership skill acquisition and practice with your surgical training before you become independent faculty and practitioners responsible for your own operating room team performance. Reading, reflection, visual observation, role modeling, simulation, and real case performance will all be used to acquire non-technical skill and execute on surgical coordinated team based care.

    The orthopaedic surgery residents will all meet together monthly with selected faculty. The seminar will be divided into modules with quarterly assessments of competency progression. There will be repeated reflection, reading, and observational assignments to motivate leadership development. Mentoring will be an essential part of the program. There will be cross subspecialty mentoring to maintain confidentiality.

    Leadership Seminar Overview

    Preconception or Misconception

    Building Expertise

    • Reading, observing, discussing, reflecting
    • Reading on leadership and management
    • Observations, reflections cumulative throughout the year
    • Participating in surgery with progressive responsibility and structured feedback
    • Simulation Performance with feedback
    • Case Scenarios

    The educational plan is for learning to be transformative in affect, attitude and behavioral domains. Passive and active exercises are designed to dispel preconceptions and misconceptions on leaders and leadership. Building knowledge first, and then progressing to building expertise. Therefore, as the seminar moves through modules, role playing, audio-video review and environmental observations both in simulation and in real working environment will be used.

    The lack of protected time could be a limiting factor to your reading and to completion of complex problem based or team based learnings. However, the seminar is coincidental with your clinical residency. The reading will be limited but worthwhile. We hope the influence of engaged, caring mentors, the commitment of your chiefs to this program, and the reality of your looming future beyond residency will be motivation enough. The reality of life beyond the walls of your residency will heighten your engagement and learning. The seminar provides you the opportunity for peer review and real time mentor feedback confidentially in domains not always provided.

    The learning objectives of the course are as follows:

    1. achieve sustainable advances in your leadership and communication skills.
    2. understand and recognize how attitudes, behaviors and varying skill levels (you and others) contribute to operating room efficiency, safety and quality.
    3. recognize and understand your essential role as a leader of the overall operating room performance.
    4. understand how this 6 month leadership seminar contributes to your lifelong career goal of engagement in patient safety and quality improvement.

    Your formative assessments will be monthly in seminar and the summative assessments will be quarterly. Similarly, you will assess the program module by module and summatively quarterly and at the end of the seminar. You all will help us make this better and better as we go on to next year’s seminar and beyond.

    Finally, you will become “teammates” in many ways, a very important aspect of leadership.

    Formative Assessments

    We will limit reading to a few articles and/or videos per week. The in seminar discussion will be robust, case based.

    I. Individual Leader’s Understanding of Themselves, Style, strengths, and Vulnerabilities

    II. Observational videos STRATA BWH/ACS, SIMPeds Ortho BCH

    Course Director: Peter Waters, MD, MMSc

    Course Coordinator: Sarah Sarnie

    Surgical Subspecialty Departmental Educators

    In order to facilitate activity beyond in-person sessions throughout the seminar, we have set each team up with an online group space. Group spaces enable team members to upload/download document to share among group members, conduct online discussion, and plan events. Select a team to visit its group page:

    Donald Bae, MD-Faculty Lead
    Tracy Townsend, MD-Fellow Faculty
    Lucas Annabell, MD-Fellow Faculty
    Alex Crawford
    Harry Lightsey
    CJ Nessralla
    Andrew Sawires
    Diana Lee (1/25 – 4/11)
    William Dotterweich (4/12-6/20)

    Collin May, MD- Faculty Lead,
    Sreeharsha Nandyala, MD-Fellow Faculty, Akshay Seth, MD-Fellow Faculty
    David Evans
    Matthew Lindsey
    Grace Xiong
    Timothy McManus (2/8-4/18)
    Travis Wright (4/19-6/21 )


    Cancellation and Refund Policy

    In the event of withdrawal, tuition is refundable, minus a $500 cancellation fee, if written notice is received by the camp office by February 15th (extended from February 1st). For cancellations after February 1st, tuition is non-refundable. If a participant withdraws voluntarily or is sent home as a consequence of unacceptable behavior, no refund will be granted. As of June 1st, any past due accounts will result in cancellation of camper’s enrollment and no refund of any tuition.

    In order to protect Camp for future generations, as a result of binding commitments that the Camp must enter into in order to conduct camp with appropriate levels of staff and medical personnel and the cost of readying the Camp to open, no refunds will be given in the event of an Act of God, War, Terrorism, Civil Unrest, Pandemic, other matters beyond the control of the Camp, or any other non-personal situation that, in the Camp’s sole judgment, could lead to significant cancellations that would have a negative financial impact on the future of Camp.


    Nivert, Sharon

    Snack Break: We have an optional snack mid-morning while working. We encourage students to bring a healthy (peanut-free) snack and water bottle.

    Parties: We have four parties: Halloween, Winter Holiday, Valentine's Day and an end-of-the-year picnic. Each classroom will have 2 room parents and there will be also be a sign up to help out with each party. We enjoy combining our classroom parties within the team. More information will follow.

    Birthday Treats: The district's policy on birthday treats has changed. Treats are only allowed to be purchased by teachers and must follow the safe snack list provided by the school. We try to make each child's birthday (or half birthday) special in the classroom.

    Assignments Book: Students should record all assignments, test dates, project dates, and special activities every day in their assignment notebook. If no assignment is given in a subject, the blank should be filled in with "none" or an "N". Assignments are listed on the assignment board in the classrooms and are announced orally. Large projects will also be listed on our homework page on this website.

    Homework Policy: The load of work varies depending on the content. Work must be turned in the following day during class. We ask that your child reads nightly 30 minutes for the 40 Book Challenge.

    The expectations are as follows:

    • An email or phone call will be sent if a student receives three late marks in any one subject in a grading period. If there are extenuating circumstances, we can make adjustments on an as needed basis.
    • If homework continues to be a problem assistance and additional steps will be taken to insure that our students are prepared with strong study skills.

    Evaluations : There are three report cards sent home during the year. Midway through each grading period, interim reports are issued only as necessary. Conferences are scheduled during October and January. However, any concerns will be addressed on an as needed basis.

    Dismissal Procedures: If your child plans to go home a way outside their normal routine, please send in a note or contact the office. Do not email the information because when we are teaching, we may not get the information in time.


    Assista o vídeo: Trabalho de biologia (Agosto 2022).